Destaques Economia Política Últimas Notícias

Hemobrás fica. Incerteza sobre futuro também

hemobras

Responsável pela produção de medicamentos utilizados no tratamento de pacientes com doenças do sangue no Sistema Único de Saúde (SUS), a Empresa Brasileira de Hemoderivados e Biotecnologia (Hemobrás), sediada no município de Goiana, na Mata Norte, está no centro de uma disputa política. De um lado, o Ministério da Saúde (MS), que propôs transferir a atribuição de maior relevância técnica e econômica da estatal – a produção de medicamentos recombinantes – para o município de Maringá (PR), reduto eleitoral do ministro Ricardo Barros. Do outro, forças políticas pernambucanas, que se mobilizaram em prol da permanência da atividade no Estado.

“A decisão de implantar a fábrica em Pernambuco foi política e estratégica, com o objetivo de levar o desenvolvimento tecnológico para fora das regiões Sul e Sudeste. Foi, também, baseada em elementos técnicos, devido à história de vanguarda que o Estado possui no setor de hematologia”, explicou a deputada Priscila Krause (DEM), autora do requerimento de criação da Frente Parlamentar em Defesa da Hemobrás, instituída na Alepe.

Graças à articulação, o Governo Federal desistiu da transferência e a polêmica foi parcialmente superada. No entanto, a controvérsia expôs uma realidade complexa e desafiadora. Criada há 13 anos com a atribuição legal de produzir remédios a partir do sangue e do uso de biotecnologia (Lei Federal n° 10.972/2004), reduzindo a dependência do País frente ao mercado farmacológico internacional, a estatal ainda é um plano não concretizado. Sete anos já se passaram desde o início das construção do parque industrial, mas a fábrica segue inacabada.

hemobrás_produção_[ivanna]Atualmente, a Hemobrás possui dois contratos em vigor – com a Shire e a LFB –, ambos suspensos devido aos atrasos nas obras (confira na arte ao lado). Um deles é voltado para a área de hemoderivados, medicamentos produzidos a partir do plasma sanguíneo para tratamento de pessoas com imunodeficiências genéticas, doenças autoimunes, câncer e outras enfermidades. O outro diz respeito aos recombinantes, drogas mais modernas que não utilizam o sangue como matéria-prima e são criadas a partir do uso de engenharia genética.

A principal dificuldade está relacionada à estrutura física: orçada inicialmente em R$ 540 milhões, a fábrica já recebeu cerca de R$ 1 bilhão em investimentos públicos federais. Entretanto, estima-se a necessidade de mais R$ 600 milhões (recursos, no momento, indisponíveis) para concluir os 30% restantes da planta, cujas obras foram paralisadas por orientação do Tribunal de Contas da União (TCU). “Em razão da crise fiscal do País, a busca do Ministério da Saúde é realizar investimentos sem novos recursos públicos para essa finalidade, arcando somente com a compra centralizada de hemoderivados”, posicionou-se o MS em nota.

Além da planta inacabada, dívidas com fornecedores e problemas técnicos dos parceiros limitam a atuação da estatal, que, no momento, realiza apenas algumas etapas da produção, como transporte e armazenamento do plasma. O cenário de incertezas inclui, também, a Operação Pulso, deflagrada pela Polícia Federal em 2015 para investigar denúncias de corrupção em contratos.

O Ministério da Saúde avalia, atualmente, uma oferta de renegociação apresentada pela Shire. “A companhia propôs investir US$ 250 milhões na conclusão da fábrica de recombinantes e em uma parte da planta de hemoderivados, além de abrir mão de US$ 40 milhões referentes aos juros da dívida de US$ 150 milhões que a Hemobrás acumula”, explicou Antônio Edson Lucena, gerente da empresa. “Caso a proposta seja aceita, ainda faltariam outros R$ 500 milhões para concluir a fábrica de hemoderivados. A ideia é buscar financiamentos ou conversar com possíveis interessados em participar do processo”, adiantou, ressaltando que os valores são estimativas, porque os preços dos artigos variam de acordo com o câmbio.

R$ 800misão gastos anualmente pelo Governo Federal na compra de medicamentos para tratar doenças do sangue.

Inacabada, a unidade não pode receber dos parceiros contratuais a tecnologia necessária para produzir sozinha os medicamentos. Por isso, segue importando todas as drogas distribuídas aos pacientes do SUS. De acordo com o MS, o montante anual destinado à compra desses medicamentos chega a R$ 800 milhões. “Quando a Hemobrás assumir a produção, o Brasil economizará cerca de 40% do que é gasto hoje com a aquisição de recombinantes, e 20% no processo de fabricação de hemoderivados”, esclareceu Lucena.

Durante audiência pública na Alepe, servidores da estatal se queixaram de “falta de visão estratégica” e “subaproveitamento da mão de obra qualificada”. “Somos 180 profissionais especializados que têm trabalhado para fazer o máximo com o mínimo de orçamento. Se a obra está parada é porque o Governo Federal não se interessa pelo Nordeste”, criticou Jaffe Xavier, presidente do sindicato da categoria.

Enquanto isso, pacientes seguem aguardando o acesso facilitado aos medicamentos de que necessitam para sobreviver. “Precisamos garantir a continuidade do tratamento e, por isso, preocupa-me o atraso no cronograma de obras e todo o descuido que vem sendo registrado com o erário”, acrescentou Alexandre Matos, representante da Federação Brasileira dos Hemofílicos.

RECOMBINANTE - Usado no tratamento da hemofilia, Hemo-8r é o Fator VIII recombinante da Hemobrás. Foto: Acervo Hemobrás

AMEAÇAS – Ainda sem se posicionar sobre a proposta de repactuação apresentada pela empresa Shire, o MS lançou edital de licitação para aquisição dos medicamentos recombinantes de forma direta, sem intermédio da Hemobrás. O anúncio foi publicado no Diário Oficial da União do dia 8 de setembro e prevê a compra de 300 milhões de unidades internacionais do Fator VIII recombinante para abastecer o SUS nos seis primeiros meses de 2018.

Em sequência, no último dia 22 de setembro, o Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) firmou um acordo de transferência de tecnologia com a empresa suíça Octapharma para o fracionamento do plasma sanguíneo e a produção de recombinantes. As companhias são as mesmas envolvidas na primeira tentativa de transferência da produção do medicamento para o Sul do País.

As duas iniciativas são vistas por representantes da empresa e por políticos pernambucanos como novas tentativas de inviabilizar a operação efetiva da Hemobrás. “As medidas representam não apenas o descumprimento do contrato firmado entre a estatal e a Shire, mas ameaças ao funcionamento da Hemobrás, que tem no referido acordo a principal fonte de receita”, argumentou o deputado Ricardo Costa (PMDB). O parlamentar defende a manutenção da articulação de políticos do Estado. “Está na cara que o problema da Hemobrás é político, e estou convicto de que as resoluções em relação à empresa se darão por essa mesma via”, disse em Plenário.

 

Em Goiana, às margens da BR-101, terreno de 159 hectares abriga duas empresas em funcionamento, além de quatro em instalação e duas em negociação. AD Diper estima mais de R$ 1,5 milhão em investimentos e cerca de mil empregos gerados no local. Foto: Acervo Hemobrás

 

Âncora do Polo Farmacoquímico

A Hemobrás está instalada no Polo Farmacoquímico que vem sendo estruturado com incentivos do Governo Estadual em Goiana, às margens da BR-101. O terreno de 159 hectares conta com duas empresas em funcionamento, quatro em processo de instalação e duas em negociação. De acordo com a Agência de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco (AD Diper), os empreendimentos somam mais de R$ 1,5 milhão em investimentos e, quando em operação, devem gerar 1.043 empregos diretos.

Como incentivo para atrair as empresas, o Estado cedeu o terreno e ofereceu aos investidores a redução do saldo devedor do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) em 95%, pelo prazo de 12 anos. Também se comprometeu a fornecer a infraestrutura necessária para alavancar os empreendimentos. “A parte da rodovia que vai até a Hemobrás está pronta. Além disso, as obras do acesso viário ao Polo Vidreiro, que fica dentro do Farmacoquímico, já foram licitadas e começam até o fim do ano”, informou, em nota, a AD Diper. Segundo o texto, 80% da estrutura elétrica foi concluída e existe um projeto sob responsabilidade da Compesa para o abastecimento d’água.

Mas o diretor da Hemobrás, Antônio Edson Lucena, disse ser preciso acelerar os investimentos no condomínio industrial. “Para tornar o polo realidade, é necessário um olhar mais atencioso do Estado. Ainda não estamos discutindo carências de infraestrutura porque há questões primeiras a serem resolvidas, como a conclusão da nossa fábrica. No entanto, sem investimentos em fibra ótica, telefonia, gás e, mais urgentemente, no tratamento de água e esgoto industrial, a falta desses recursos poderá se tornar o próximo gargalo”, alertou.

*Ivanna de Castro – Assembleia Legislativa de Pernambuco

Deixe um comentário